386 mil crianças nasceram no primeiro dia de 2018

No entanto, a UNICEF alerta que quase metade das crianças que nascerem neste ano, provavelmente, não sobreviverá

por Jameson Ramos qua, 03/01/2018 - 11:01
Pixabay Ainda há um temor pela mortalidade infantil Pixabay

Segundo o Fundo das Nações Unidas (UNICEF), cerca de 386 mil bebês nasceram em todo o mundo no primeiro dia de 2018. Mais da metade de todos os nascimentos deste 1º de janeiro ocorreu em nove países. São eles:

Índia - cerca de 69 mil

China - 45 mil

Nigéria - 20 mil

Paquistão - 15 mil

Indonésia - 13 mil

Estados Unidos - 11 mil

República Democrática do Congo - 9 mil

Etiopia - 9 mil

Bangladesh - 8 mil

Segundo a UNICEF, a principal preocupação é com o futuro desses bebês. Em 2016, um total de 2,6 milhões de crianças morreram antes do final do seu primeiro mês de vida. Mais de 80% de todas as mortes de recém-nascidos são provocadas por problemas de saúde que poderiam ter sido prevenidos e tratados, como parto prematuro, complicações durante o parto e infecções como septicemia (infecção grave do sangue) e pneumonia.

Segundo informações levantadas pela Organização, o Brasil vem se destacando na redução da mortalidade infantil; reduziu sua taxa em mais de 25% de 2005 a 2015. Mas, em 2015 mais de 37,5 mil crianças morreram antes de completar seu primeiro aniversário, sendo muitas dessas mortes relacionadas à baixa qualidade do pré-natal, a precária assistência ao parto e cuidado neonatal.

As crianças indígenas brasileiras, por exemplo, são as que "detêm" o maior número de mortalidade infantil. São elas que têm mais que o dobro de chances de morrer antes de completar 1 ano no país.

A UNICEF lembra que, de acordo com as estatísticas de expectativa de vida, o mundo está entrando na era em que todos os recém-nascidos deveriam ter a oportunidade de ver o século 22. Entretanto, quase metade das crianças que nascerem neste ano, provavelmente, não sobreviverá. A expectativa de vida de uma criança nascida na Suécia em janeiro de 2018 atingirá 2101, enquanto uma criança da Somália provavelmente não viverá além de 2075.

COMENTÁRIOS dos leitores