Antônio Campos

Antônio Campos

Território da Palavra

Perfil: Escritor, advogado, imortal da Academia Pernambucana de Letras e curador da Festa Literária Internacional de Pernambuco (Fliporto).

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

Prêmio Saramago é do Brasil

Antônio Campossex, 28/10/2011 - 14:38

Mais uma importante premiação para o cenário da literatura no Brasil. Na última terça-feira (25), foi anunciado o vencedor do 7º Prêmio Literário José Saramago e, para a alegria de todos os brasileiros, quem ganhou foi a paulista Andréa Del Fuego, com o romance “Os Malaquias”. A obra conta a história de três irmãos que tiveram os pais mortos por um raio.

Em 2003, outra brasileira foi contemplada com esta grande premiação atribuída a jovens autores da língua portuguesa, originada em 1999. Foi, então, a vez da escritora Adriana Lisboa, que trouxe o prêmio para o nosso país com a obra “Sinfonia em Branco”. Em ambos os casos, um justo reconhecimento para a rica produção literária do Brasil.


Novo romance de Eco

Antônio Camposqui, 27/10/2011 - 12:17
Escrito há mais de 30 anos, “Em nome da rosa”, romance de estreia do escritor italiano Umberto Eco, fez sucesso nas livrarias de todo o mundo pelo seu caráter humorístico, que aborda a liberdade de ensino e a livre circulação do conhecimento em pleno século XIV. Agora, o italiano lança “O cemitério de Praga”, publicado no Brasil pela editora Record.
O novo escrito mescla humor e intrigas, com personagens que vão desde jesuítas e maçons a adeptos do satanismo e cujo cenário é Paris. A obra vem sendo aclamada pelo público e pela crítica internacional como o melhor romance desde “O nome da Rosa”. Não é de se estranhar, já que Eco se utiliza de um estilo bem-humorado, com narrativas inteligentes e eletrizantes, que seguram o leitor do início ao fim. Certamente, “O cemitério de Praga” se tornará uma leitura imperdível.
 
Tags:

Mais um de Jô Soares

Antônio Camposqua, 26/10/2011 - 11:53

Foram 18 meses para concluir “As esganadas”. É este o título do quinto livro e quarto romance de José Eugênio, ninguém menos que Jô Soares. Seis anos após o seu último romance, “Assassinatos na Academia Brasileira de Letras”, de enredo espetacular, o jornalista continua revelando, em um estilo irônico, regado ao humor inteligente, interessantes pesquisas históricas, utilizando-se do mesmo formato das obras anteriores.

Editado pela Companhia das Letras, o novo romance conta a história de assassinatos de mulheres obesas, cujos corpos são sempre encontrados em pratos da gastronomia portuguesa. Protagonistas hilários se propõem a desmascarar o assassino, evitando que ele faça uma nova vítima. A trama se passa em 1930, no Rio de Janeiro, e promete prender o fôlego de quem lê e aprecia os belíssimos escritos de um dos apresentadores mais conhecidos do país.


Gigantes do Inconsciente

Antônio Camposter, 25/10/2011 - 11:23

A psicanálise humana é uma linha que abarca apaixonados e contrariados. O cenário é comum, mas, desde 2010, o assunto vem recebendo críticas ferrenhas de uma grande quantidade de autores, sendo a França palco principal dos conflitos. Os psicanalistas Freud e Lacan são alvos da historiadora francesa Elisabeth Roudinesco nas obras “Lacan, a despeito de tudo e de todos” e “Freud, mas por que tanto ódio?” (Editora Zahar), que acabam de chegar ao Brasil.

Os ânimos começaram a se agitar ainda mais depois que a filha de Lacan, Judith Miller, junto com seu marido, Jacques Alain-Miller, processou a autora por difamação, exigindo uma multa de 15 mil euros. A causa? Um registro do livro onde Elisabeth diz que Lacan foi enterrado na França sem ter os dois desejos obedecidos: ser sepultado, em uma cerimônia católica, na Itália. Segundo a filha do psicanalista, ele descrevia-se como agnóstico. O Tribunal de Grande Instância de Paris se encarregará de discutir o caso no dia 16 de novembro. Anos depois de suas mortes, os gigantes da psicanálise ainda alimentam discussões.


Livro digital na Feira de Frankfurt

Antônio Camposseg, 24/10/2011 - 11:23

Apesar de contarem com um mercado ainda restrito na Europa, os e-books, representando o futuro do livro digital, não ficaram de fora das mesas de debate da Feira do Livro de Frankfurt, a maior do mundo, realizada na última semana.

Dentro dessa temática, palestrantes falaram sobre “gameficação”, utilizado para atrair um público fiel para os sites tradicionais, além de “hybrid books” e os livros em nuvens. Assuntos esses que, cedo ou tarde, irão fazer parte, com mais frequência, do nosso cotidiano real e virtual.


O avanço da literatura digital

Antônio Campossex, 21/10/2011 - 14:25

A soma da obra de arte à tecnologia é o resultado, bem-sucedido, do poema “A Terra Desolada” como aplicativo para os tablets. Os versos, do poeta T.S. Eliot, ganharam uma aplicação modernista que ficou famosa, ganhando uma significativa aprovação entre os leitores-tecnólogos.

Com essa aplicação, é possível explorar o significado do poema e recorrer a interpretações, como a da atriz irlandesa Fiona Shaw. A edição moderna, lançada há quatro meses, representa um verdadeiro avanço na literatura digital e, quem sabe, o despertar das editoras e leitores para o promissor mercado dos tablets. 


E-books para a Europa

Antônio Camposqui, 20/10/2011 - 14:13

Enquanto nos Estados Unidos o mercado de e-books cresce e já atinge quase 20% das vendas do mercado de livros, a Europa, continente que acolhe a maior feira do livro do mundo, realizada em Frankfurt, não chega a 1%, exceto a Inglaterra que já atinge cerca de 10%.

Para mudar esse cenário é necessário, primordialmente, o investimento dos mercados de livros europeus em aparelhos próprios, como fez os EUA, com a Amazon, e o Canadá, com o Kobo. No Brasil, entretanto, o panorama também não é animador: os e-books representam apenas 1% do mercado de livros. 

 

Tags:

A vida de Edith Piaf

Antônio Camposqua, 19/10/2011 - 11:04

A nova obra que retrata a sofrida e exemplar vida de uma grande voz da música popular chegará, em breve, às livrarias. Chamada “Piaf – Uma Vida”, o livro narra a história de Edith Piaf, que faleceu aos precoces 47 anos e foi a Amy Winehouse da sua época: polêmica e dona de uma voz magnífica.

O livro, da autora Carolyn Burke, mostra a superação da francesa diante de tantos obstáculos que apareceram durante a sua vida, tais como as decepções amorosas, os vícios das drogas e uma infância de abandono. Piaf, criada em um prostíbulo, começou a cantar com apenas 16 anos. Uma história de vida construída com um talento admirável, uma biografia imperdível.


Um pedaço da Índia no Brasil

Antônio Camposter, 18/10/2011 - 15:35

A partir desse mês, uma parte da Índia ficará aportada no Rio de Janeiro, trazendo-nos a rica possibilidade de conhecer um misto da cultura milenar com a produção artística contemporânea daquele país. A mostra, que teve início no último dia 12, ficará no Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB) da cidade carioca até o final de janeiro. 

A exposição, com obras datadas de 200 a.C até a atualidade, possui 400 peças que foram divididas nos temas homem, deuses, formação da Índia moderna e arte contemporânea. O acesso é gratuito. Certamente, uma excelente oportunidade de desvendar os mistérios de um país com mais de 200 etnias.

Tags:

O valor da China

Antônio Camposseg, 17/10/2011 - 14:19

As obras chinesas nunca foram tão valorizadas no mercado mundial, e isso foi comprovado em um dia inesquecível para a arte oriental na renomada casa de leilão inglesa Sotheby’s. Quando leiloeiros esperavam arrecadar algo em torno de US$16 milhões com os lotes em exposição, eles conseguiram levantar mais de US$54 milhões.

Um detalhe interessante é que os maiores compradores são os próprios chineses, no mês passado, por exemplo, um vaso de porcelana da dinastia Ming foi arrematado pelo dobro do valor esperado inicialmente, ou seja, por mais de 20 milhões de dólares. Isso mostra o crescente reconhecimento que o Oriente está dando à sua arte, o que deverá aumentar, também, a valorização desse setor na China e no restante do mundo.