Aldo Vilela

Aldo Vilela

Jornalista

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

Fernando Bezerra Coelho tem vitória sobre grupo de Jarbas

sex, 12/01/2018 - 09:15

Neste grande e eterno pelo jeito embate entre o Senador Fernando Bezerra Coelho e o grupo liderado pelo deputado Jarbas Vasconcelos, a Justiça Estadual de Pernambuco reconhece a legitimidade do processo de dissolução do Diretório Estadual do MDB de Pernambuco. A decisão interlocutória  foi assinada nesta quinta  pelo juiz Alberto Freitas  que afirmou o seguinte : "Revogo parcialmente a tutela de urgência de natureza cautelar anteriormente deferida, no tocante à suspensão do processo de dissolução do Diretório Estadual do PMDB em Pernambuco e autorizo que o procedimento seja promovido pela Comissão Executiva Nacional, nos termos do Estatuto registrado no TSE..."A partir de agora é que a briga vai mesmo esquentar, se os dois grupos já se engalfinhavam abertamente e nos bastidores agora a coisa deve mesmo descambar para mais baixaria. Agora pelo visto  não restam obstáculos para que a Comissão Executiva Nacional da legenda dar continuidade ao processo de dissolução do Diretório Estadual, nos termos do Estatuto registrado no Tribunal Superior Eleitoral. E como fica agora o grupo que forma o antigo PMDB aqui em Pernambuco.

Alegria que dura pouco

Um dia depois do alarde da inflação baixa anunciada de forma festiva, o  governo vai ficar de ressaca com a notícia do final da tarde desta quinta feira. A S&P, uma dessas firmas que classificam o risco de calote de empresas e países, rebaixou mais uma vez a nota do governo do Brasil, pelos motivos de sempre e sabidos.

Motivos

Não se aprovam reformas que equilibrem receita e despesa; mais do que isso, o Congresso não está nem aí para o problema. Além do mais, o Brasil cresce pouco. Em resumo, é como se uma Serasa global dissesse que estamos meio quebrados.

Consequências

Nota de crédito mais baixa implica, em tese, custo mais alto para emprestar dinheiro; em tese, provoca mais reticências em quem tem ou administra dinheiro gordo.

Do céu ao inferno rapidinho

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, bem que tentou, mas seus argumentos não foram suficientes para convencer a agência de classificação de risco Standard & Poor´s (S&P), que rebaixou novamente o Brasil, agora, de BB para BB-.Com isso, o país está próximo de ser considerado lixo nos deixando em uma situação trágica.

O que disse Temer

O Palácio do Planalto recebeu com muita surpresa o rebaixamento, pois havia sido convencido por Meirelles de que as agências seriam complacentes com o Brasil diante dos bons indicadores da economia. O crescimento voltou, a inflação de 2017 foi a menor em 19 anos e os juros estão no nível mais baixo da história.

E o canalha perdeu

O juiz da 12ª Vara de Justiça do Distrito Federal, Marcus Vinícius Reis Bastos, rejeitou a denúncia denúncia feita pelo senador Romero Jucá (PMDB-RR) contra Rúbia Graziele de Souza Vegas. Na queixa-crime, o parlamentar acusava Rúbia de ter incorrido nos crimes de calúnia, difamação e injúria.

Decisão

Na sentença, divulgada pelo blog do Vicente, no Correio Brazileinse, o magistrado observou que Rúbia, "como qualquer outro cidadão, tem o direito de questionar políticos, mesmo que em tom de cobrança, a respeito de qualquer fato divulgado, sobretudo em relação a temas tão desabonadores que têm sido amplamente divulgados pela mídia".  (BR 247)

Mais um ministro duvidoso

O ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho (MDB-PA), afirmou em depoimento à Polícia Federal que se reuniu com um executivo da Odebrecht em um hotel em São Paulo durante a eleição de 2014 para pedir "doação eleitoral oficial" à campanha dele ao governo do Pará. 

Assume mas é santo

O ministro disse que recebeu R$ 2,2 milhões declarados à Justiça Eleitoral e negou ter recebido valores em caixa dois, o que contraria o depoimento de dois delatores da Odebrecht, segundo os quais foram pagos em espécie, não declarados, R$ 1,5 milhão em hotéis de São Paulo.

COMENTÁRIOS dos leitores