Paulo Lopes

Paulo Lopes

O Segredo de um Headhunter

Perfil: CEO da ORGANIZA, Mestre em Administração, Especialista em Recursos Humanos, Planejamento e Desenvolvimento Organizacional e Metodologia de Pesquisa aplicada à Administração.

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJa.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

O gestor contemporâneo versus Performance

Paulo Lopester, 02/08/2011 - 19:40

O grande desafio que tenho identificado em nossos trabalhos de Consultoria de Gestão Empresarial é que a grande maioria dos gestores cria uma expectativa irreal acerca dos processos de contratação, ou seja, uma expectativa baseada em fantasias, em desejos do ideal sem considerar os fatos e realidade presentes em suas organizações. Vale ressaltar que o grande erro não é ter como desejo o profissional ideal, mas sim acreditar que o ideal tem que se tornar realidade simplesmente porque o gestor deseja.

O gestor, sempre ao contratar seus liderados, deseja que todos já venham prontos com as qualidades e competências necessárias, e estas moldadas de acordo com suas expectativas. A realidade é que a grande maioria dos seus liderados não está pronta – são profissionais talentosos, mas mesmo assim precisam ser lapidados.

Outra queixa comum é o gestor achar que não é sua responsabilidade treinar e desenvolver seus liderados. Esta é outra perspectiva altamente irreal.

No cenário apresentado, o gestor pode tomar duas decisões:
a) Deixar como está e se conformar em reclamar;
b) Tomar as rédeas da situação e criar um modelo para que sua empresa atinja a alta performance.

Caso o gestor opte pela alternativa b, vai fazer diferença entre você ser apenas mais a um chefe ou se tornar o líder de fato.

O que é necessário para que um gestor deixe de ser um chefe e trabalhe como um líder?

Para ser um líder de fato é fundamental que este atue como “Coach” dos seus liderados, e para que isso ocorra de fato é fundamental que o gestor possa:

- Contribuir para que os liderados encontrem respostas;
- Desenvolver novos potenciais;
- Gerar aprendizado;
- Ter um estilo de conversa estruturada;
- Ajudar a descobrir as competências dos seus liderados.

Uma vez o gestor adote essas práticas terá a certeza de que estará desenvolvendo seus líderes e contribuindo decisivamente para que as pessoas e a organização tenham alta performance.

COMENTÁRIOS dos leitores